Por que ser contra Alexandre de Moraes no Supremo?

23 de fevereiro - 15:31

Espera-se da oposição no Senado implacável resistência ao nome de Alexandre de Moraes para ocupar vaga no STF.

Mas tomara que seja pelos motivos certos.

O fato de seu escritório ter atendido cooperativas supostamente vinculadas ao PCC não é um argumento razoável e idôneo.

Ou cabe uma lei que vede a qualquer advogado criminalista chegar ao STF?

Soa absurda, pois não há provas, e são inaceitáveis apenas convicções, a afirmação de que ele tenha qualquer vínculo com essa organização criminosa, salvo a assistência profissional legalmente prevista.

Além do mais, para quem defende o Estado de Direito e a Constituição, atropelados pelo golpe, qual a coerência em vilanizar a advocacia, principal esfera de garantia ao devido processo legal?

Também não vale dizer que Moraes estaria impedido de ser ministro da Corte Suprema porque é filiado a um partido político. Afinal, Toffoli também era. Ayres Britto, igualmente. Nelson Jobim, idem.

Ou que seria um escárnio Temer indicar seu ministro da Justiça para o cargo, quando o oposto é verdadeiro: por que um presidente, usurpador ou legítimo, deixaria de apresentar um nome de sua comprovada confiança, quando se sabe que a máxima instância do Poder Judiciário é espaço nobre na disputa político-ideológica?

Aliás, uma das lástimas dos governos Lula e Dilma foi não ter indicado ao STF, uma corte política, apenas quadros organicamente vinculados ao PT e à esquerda.

Ou não haveria motivos de comemoração, entre as forças progressistas, se os escolhidos tivessem sido Luiz Eduardo Greenhalgh, Tarso Genro, Nilo Batista e Pedro Estevam Serrano, entre outros homens e mulheres de notório saber jurídico e visceralmente alinhados com o projeto liderado pelo petismo?

Ser contra Alexandre de Moraes não pode significar máculas na coerência discursiva ou oportunismo de ocasião.

Ele não deve ir ao STF, acima de tudo, porque é um golpista e sua trajetória se vincula à repressão contra os movimentos sociais.

Também porque é correto colocá-lo sob a suspeição de que, ao revisar a Lava Jato, tenderá a manter o regime de exceção comandado por Moro e a proteger tanto tucanos quando peemedebistas.

Afinal, é para isso mesmo que Temer o escalou: garantir a sociedade com o PSDB, com o intuito de preservar o pescoço dos golpistas e o seu próprio, estrangulando as forças de esquerda.

Fora disso, entramos no pântano da despolitização e da invencionice -

Escrito por: Breno Altman

Matérias Relacionadas

Sem relacionamento.



Deixe seu comentário aqui